Mais Vale Prevenir

Na medicina veterinária, à semelhança do que acontece na medicina humana, podemos e devemos apostar na prevenção. Nomeadamente, ter o cuidado de seguir os conselhos acerca de profilaxias que visam manter saudáveis os nossos animais de companhia de forma rápida, segura e eficaz.

Vacinar e Desparasitar

vacinação e a desparasitação são ferramentas de fácil acesso e pouco dispendiosas que temos à nossa disposição para protegermos os nossos companheiros. Com o aumento da população de animais errantes (encontrados na via pública) e da densidade animal, tanto em cidades como em meios rurais, a disseminação de doenças é cada vez maior. Desta forma, a prevenção é a única forma de travarmos o seu avanço e proliferação.

Ao termos a vacinação e desparasitação dos nossos patudos em dia estamos a evitar que alguns agentes zoonóticos os infetem. As zoonoses são doenças que têm origem em diferentes organismos como bactérias ou parasitas que podem prejudicar tanto a saúde dos animais como a dos humanos. Alguns exemplos são a Raiva e a Leptospirose, ambas doenças que podem ser fatais tanto para humanos como para algumas espécies animais. Também alguns parasitas internos nos podem infestar por contacto com os nossos animais, como a Toxocara canis. Neste caso as crianças apresentam um maior risco de serem contaminadas, dado que normalmente apresentam meios de higiene mais delicados e podem ingerir mais facilmente ovos ou larvas deste tipo de parasitas.

Protocolos de Desparasitação

Os protocolos de desparasitação são muito diversos, mas no geral muito fáceis de aplicar, pois são realizados em ciclos não muito longos. Assim, em animais até aos 3 meses recomenda-se uma desparasitação interna quinzenal. Entre os 3 e os 6 meses deverá ser mensal. Logo depois, a partir dos 6 meses aconselha-se a desparasitação em ciclos de aproximadamente 4 meses. No entanto, é de salientar que, no caso de animais que convivam com crianças, estes ciclos devem ser encurtados, pelo que se devem desparasitar estes animais em intervalos de 2 meses.

Protocolos de Vacinação

Em seguida, apresentamos o protocolo vacinal recomendado pelo Hospital Veterinário do Atlântico:
– Nobivac DHPPi: contra Esgana, Hepatite Infecciosa, Parvovirose e Parainfluenza
– Nobivac L4: contra Leptospirose
– Nobivac Rabies: contra Raiva
– Letifend: contra Leishmaniose
– Virbac CRP: contra Calicivírus, Rinotraqueite e Panleucopénia
– Virbac Leucogen: contra Leucose Felina

tabelas_corrigidas

Esterilização/Castração

Vale a pena frisar também que a esterilização de cadelas e gatas e a castração de cães e gatos são formas de prevenção. A esterilização de animais de companhia ajuda não só no controlo do número de animais, como na prevenção de alguns problemas comportamentais e ainda na prevenção de inúmeros problemas de saúde:
– No caso das fêmeas a esterilização ajuda a prevenir os tumores de mama e infeções uterinas, doenças cada vez mais comuns em cadelas e gatas, dado a esperança média de vida dos nossos companheiros estar a aumentar.
– Em cães a castração previne o desenvolvimento de hiperplasia benigna da próstata e consequentes prostatites e quistos prostáticos. Nos gatos as principais vantagens são em termos do maneio comportamental, nomeadamente dos comportamentos sexuais como a marcação de território.

Na mesma categoria…

Leptospirose

Leptospirose

Apenas a vacinação semestral confere uma proteção adequada. A Leptospirose é uma zoonose causada pela infecção com...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close Bitnami banner
Bitnami