Alterações do comportamento nos animais idosos

Alterações do comportamento nos animais idosos

Conheça os sinais de alerta para doenças ocultas

É comum observar alterações no comportamento dos animais idosos, tal como acontece nas pessoas. É fácil desvalorizar estas alterações e atribuí-las simplesmente ao envelhecimento cerebral. No entanto, é importante perceber a diferença entre o envelhecimento normal e outras alterações que podem indicar problemas de saúde.

As mudanças súbitas no comportamento e os sinais de desconforto óbvio são facilmente reconhecidos. Mas existem outras mudanças que se desenvolvem de forma lenta e progressiva e que geralmente servem como sinais de alerta para a deteção precoce de doenças ocultas. 

Causas de alterações de comportamento em animais idosos 

Os problemas de comportamento podem ser causados por alterações na rotina do animal, por doenças, senilidade ou disfunção cognitiva, como nas pessoas idosas. Qualquer alteração no estilo de vida pode ser stressante para um animal, independentemente da idade.

À medida que os animais envelhecem, vão perdendo a capacidade de adaptação às mudanças no seu ambiente. Por vezes, alterações como o nascimento de um bebé, a adoção de um novo animal ou a ausência dum membro da família podem perturbar essa capacidade de adaptação e induzir alterações no comportamento dos animais.

Os problemas médicos e degenerativos que afetem os principais sistemas orgânicos também podem provocar alterações no comportamento dos animais de muitas formas. Com o avançar da idade, a audição e a visão vão-se deteriorando. Isto dificulta a compreensão do meio envolvente e pode influenciar a capacidade de reação dos animais, que tendem a tornar-se medrosos ou deprimidos.

Por outro lado, os animais, tal como as pessoas, desenvolvem artroses. As artroses dificultam o movimento e podem causar grande desconforto e irritabilidade. As manifestações mais frequentes deste problema são a diminuição da atividade física e a intolerância ao contato físico.

Os animais podem deixar de querer brincar como antes, recusar os passeios ou furtar-se às festinhas que antes adoravam. Doenças do fígado, dos rins, e doenças hormonais (como diabetes, hipertiroidismo e hiperadrenocorticismo) influenciam diretamente o comportamento e a personalidade dos animais.

O cérebro dos animais também sofre alterações com o envelhecimento. Os processos degenerativos cerebrais têm impacto na personalidade, na memória, no comportamento e na capacidade de aprendizagem. Os animais idosos podem exibir diferentes graus de disfunção cognitiva, desde alterações subtis apenas detetáveis pela sua família, até senilidade severa. 

 Sinais de alerta nos animais idosos 

O principal ponto a reter é que as alterações no comportamento podem ser um indicador precoce de que o seu animal pode ter dores, pode estar doente ou ter um processo degenerativo.

Sempre que detetar uma alteração de comportamento, deve discuti-la com o seu veterinário, que poderá ajudar a compreender o significado dessa alteração e investigar as possíveis causas. Adicionalmente, devemos estar sempre atentos ao aparecimento dos principais sinais indicadores de doença nos animais, particularmente nos mais idosos:

  • aumento da sede e/ou da produção de urina
  • incontinência urinária ou fecal
  • urgência ou esforço na micção ou defecação
  • vómito ou diarreia frequentes
  • pele seca, seborreia, falhas de pêlo ou comichão
  • nódulos na pele ou palpáveis debaixo da pele
  • feridas que não cicatrizam
  • tremores da cabeça ou das patas
  • mau hálito
  • olhos secos, avermelhados ou nublados
  • perda de entusiasmo nas atividades diárias
  • tosse, arfar excessivamente, respiração ruidosa ou esforçada
  • rigidez ou dificuldades no movimento
  • alterações de peso (obesidade ou magreza)
  • desorientação, agressividade ou apatia

Determinar a causa das alterações do comportamento 

Se o seu animal demonstra alterações comportamentais relacionadas com o envelhecimento, o seu veterinário irá investigar essas alterações, recolhendo todas as informações relevantes que lhe puder facultar para fazer a sua história clínica e fazendo um exame físico profundo. Além disso, pode ser recomendável realizar um check-up para detetar doenças orgânicas ou outras patologias relacionadas com o envelhecimento.

O check-up pode incluir os seguintes exames:

  • análises bioquímicas sanguíneas: para avaliar a função do fígado, rins, pâncreas e nível de açúcar no sangue (glicémia);
  • hemograma: para avaliar as células do sangue e detetar anemias, inflamação, infeção e distúrbios imunitários;
  • testes de anticorpos sanguíneos: para detetar exposição a doenças transmitidas por carraças (febres da carraça) e mosquitos (leishmaniose e dirofilariose), ou outras doenças infecciosas (como os vírus da imunodeficiência felina, da leucose felina e da peritonite infecciosa felina, entre outros) ;
  • análises de urina: para detetar infeções urinárias, cristais e cálculos urinários e para avaliar a capacidade de filtração e concentração de urina pelos rins;
  • doseamento da hormona tiróide: para perceber se a tiróide produz hormona em quantidade insuficiente (no caso dos cães) ou excessiva (no caso dos gatos);
  • eletrocardiograma: para detetar arritmias ou outras alterações indicativas de doenças cardíacas;
  • medição da pressão arterial: geralmente para detetar aumento da pressão arterial (vulgarmente denominado hipertensão), que ocorre em várias doenças comuns nos animais idosos. 

Prevenir os problemas de comportamento nos animais idosos 

Muitos dos problemas de comportamento dos nossos companheiros mais velhos podem ser resolvidos ou controlados e minimizados.

A vigilância atenta e a deteção precoce das causas dessas alterações de comportamento são fundamentais para prevenir problemas mais sérios. Com o auxílio de medicamentos, suplementos e dietas especiais, podemos tratar ou atrasar drasticamente a progressão de muitos problemas de saúde e ajudar os nossos amigos de quatro patas a viver melhor, mais felizes e durante mais tempo! 

Se a leitura deste texto lhe levantou questões ou ajudou a identificar um potencial problema, não hesite em contactar-nos. Estamos ao seu dispor para assegurar o bem-estar do seu animal!    

(adaptado de pethealthnetwork.com)

Procedimentos anestésicos em animais geriátricos

Procedimentos anestésicos em animais geriátricos

“É seguro submeter um animal sénior a anestesia?”

É uma pergunta que nos é colocada frequentemente.

Diariamente a nossa equipa tenta combater os mitos se dizem por aí: “o animal já tem uma idade avançada para ser submetido a anestesia geral…” ou “o seu animal já foi submetido a uma anestesia geral, não aguentaria outra…”

O nosso objetivo é descredibilizar estes mitos! Os tutores cada vez mais se preocupam com o bem-estar animal e querem cada vez mais melhorar a qualidade de vida do seu animal de estimação…mas na hora de submeter o animal de companhia a uma anestesia geral, é uma situação que traz sempre muitos receios e fá-los balançar na decisão final: autorizar ou não autorizar?

Acreditamos que o primeiro passo é incutir a confiança do tutor na equipa hospitalar que cuida do seu animal de companhia!

O Hospital Veterinário do Atlântico

O nosso hospital dispõe de uma equipa multidisciplinar que tem conhecimentos exaustivos sobre anestesia e que cria protocolos anestésicos adequados a cada paciente. Para nós, cada animal é único!

A criação deste protocolo é baseada numa consulta pré-cirúrgica. Nesta consulta específica, o seu animal de estimação é avaliado fisicamente, e juntamente com o dono, é colhida a história dos antecedentes médicos/cirúrgicos do animal. Por fim, são realizados exames/análises pré-cirúrgicas.

É importante referir que os exames/ análises incluídas neste check-up pré-cirúrgico variam essencialmente consoante a idade do seu animal e o historial do seu animal. Quanto maior a idade, mais exames poderão ser necessários realizar para garantir a escolha correta do protocolo anestésicos a usar. Nada é feito ao acaso.

O protocolo anestésico propriamente dito é dividido em pré-medicação, anestesia de indução e anestesia de manutenção. E as drogas a usar variam consoante os achados na consulta pré-cirúrgica. Apesar de existirem sempre riscos associados à anestesia, o nosso objetivo é minimizarmos estes riscos ao máximo, em prol de uma anestesia mais segura.

Após a intervenção cirúrgica, o animal tem um período de recuperação da anestesia. Este período carece de uma especial atenção por parte da equipa médico-veterinária. Por este motivo, nenhum dos nossos pacientes sai das nossas instalações sem estar apto para tal. E se necessário, fica internado durante um período de tempo mais alargado sob vigilância.

Confiança!

Não vacile quando chegar o momento de decidir que o seu animal terá de ser submetido a anestesia geral para se realizar um procedimento cirúrgico que melhorará a qualidade de vida do seu membro de família de 4 patas.

Confie na experiência da nossa equipa!

Close Bitnami banner
Bitnami